Distrito de Criúva

Seus primeiros habitantes foram os indíos, aonde ainde se conserva aslgumas tocas de índios, depois foram os portugueses, acrescidos posteriormente de muitos italianos com a migração que atingiu a região no final do século XIX. O distrito era pertencente ao município de São Francisco de Paula até a década de 50, porém a distância entre este município e o distrito, aliados ao crescimento vertiginoso de Caxias do Sul fizeram com que Criúva passa-se a ser administrada não mais por São Francisco de Paula, e passa-se a ser o sexto distrito de Caxias do Sul.

A Microrregião Criúva está localizada no extremo Norte do município de Caxias do Sul, na bacia hidrográfica do Rio das Antas e tem como limitadores a Norte o Rio das Antas, a Oeste o Arroio Pereira e a Leste o Rio Lajeado Grande. O ambiente é mesclado: existem áreas de leve ondulação do terreno cobertas por gramíneas e salpicadas com capões de Araucária, com cotas altimétricas maiores, associadas a vales cobertos pela floresta decidual estacional que vão ficando cada vez mais encaixados, na medida em que nos aproximamos do baixo curso das drenagens, até o ponto de, por exemplo, o Arroio Palanquinho esculpir um cânion.

Segundo Rafael Corteletti, foram mapeados na década de 1960, oito sítios com 25 estruturas subterrâneas no total, além de dois abrigos sob rocha. Um desses abrigos, o sítio RS 79, foi recatalogado pela equipe de arqueólogos do Instituto Anchietano de Pesquisas durante as prospecções realizadas na execução do Projeto São Marcos entre os anos de 2003 e 2005, quando ainda foram assinalados mais quatorze sítios na área deste distrito de Caxias do Sul, sendo três deles do tipo superficial e dois cemitérios. A totalidade de 24 sítios catalogados, a partir destas três jornadas de pesquisa, revela 54 estruturas subterrâneas mapeadas, sendo 27 delas identificadas na presente pesquisa e as demais identificadas no Projeto São Marcos. A altitude nos dez sítios da Zona de Estudo oscila entre 689m e 889m. Fonte: Patrimônio arqueológico de Caxias do Sul / Rafael Corteletti. – Porto Alegre: Nova Prova, 2008.

Criúva, pertencente a região denominada “Campos de Cima da Serra” ocupação territorial calçada no sistema de sesmarias, Palmeira dos Ilheus pertencente André Nunes Porto (proveniente da cidade de Porto) que, em 1772, recebe a “Carta de Concessão da Sesmaria das Palmeiras dos Ilhéus”. (POSSAMAI;RIZZON, 1987, p. 43). Assim, a região tem suas origens ligadas de uma ocupação latifundiária  e com presença de escravos.

O surgimento do nome Vila de Criúva aconteceu em meados do século XIX, impulsionada pelos comércios que se dedicavam ao abastecimento dos tropeiros que cruzavam o Rio das Antas com seus animais e cargas entre o leito do rio para levar seus mantimentos e mercadorias ao norte, seguindo o rumo de Vacaria. Outro fato importante para o crescimento da vila foi a construção da Ponte dos Korff, na estrada Rio Branco, o que tornou Criúva no ponto de parada obrigatório dos tropeiros até a construção da BR 116 em São Marcos, na década de 40.

A origem do termo Criúva, que nomeou o conhecido distrito de Caxias do Sul, no sentido onomástico advém da denominação de uma pequena árvore retorcida e engalharada. Segundo o livro Vocabulário sul-rio-grandense, a palavra Criúva corresponde a um nome indígena, “árvore da família Ericacea Lecothoe Multifrora D.C. Vaz. Acuminata, que vegeta nos campos; a sua casca é grossa, como uma espécie de cortiça, incombustível. É a árvore dos siriris, conforme diz Dr. João Dutra de Moraes”. (CORREA, 1898, p. 151).

 

Raiz tradicionalista

Conhecido como o lado campeiro de Caxias do Sul, o distrito de Criúva teve sua origem na época do tropeirismo e foi inspirado no nome de árvore típica existente na região. A região ainda é privilegiada pelas belezas naturais de seu interior: cascatas, rios, matas nativas, rica flora e o maior recurso hídrico potável do município.

Criúva é o berço da primeira dupla de acordeonistas do Brasil, os Irmãos Bertussi, homenageada com um Memorial, um dos pontos turísticos mais visitados. Sua economia tem como base a agropecuária. No entanto, uvas, queijos e derivados do leite também fortalecem a economia. Criúva tem grande potencial para produzir energia elétrica, com duas hidrelétricas em funcionamento. Nos últimos anos o turismo vem crescendo, com pousadas, restaurantes, trilhas ecológicas, cavalgadas, campings e práticas de esportes radicais em grandes paredões, rios e cascatas. Um dos principais pontos é o Monumento Natural Canion Palanquinho. A religiosidade da comunidade se expressa em diversas festas, mas o destaque principal é a Festa do Divino Espírito Santo, em maio. Também são realizados o rodeio crioulo nacional e o Divino Natal. Criuva fica a 58km do centro de Caxias do Sul.      

 

Dicas úteis:

O Guia de Caxias do Sul sugere acompanhamento para os passeios:  ou  Criúva Operadora - Turismo de Aventura.

Se for a primeira vez que vai a Criúva ou não conhece bem a região, salve os mapas e trajetos no seu celular, para facilitar na localização. Alguns atrativos são mais distantes. 

A estrada até o Centro do Criúva é asfaltada, os acesso aos atrativos são maior parte estrada de chão.

Vai curtir a natureza, fazer trilhas, caminhadas ou conhecer atrativos naturais vista roupas e calçados confortáveis. Leve água, lanche, protetor solar e repelente.

 Para realização de passeio em todo o roteiro, se preferir pode contatar a Criúva Operadora