Catedral Santa Teresa

Belíssima catedral de Caxias do Sul

Visitação gratuita

Missas de segunda a sexta, às 12h, 16h e 19h. No sábado, às 19h, e no domingo, 9h, 11h e 19h. A Secretaria Paroquial funciona das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 18h30 (Devido à pandemia, consulte disponibilidade de dias e horários para visitação)

No centro da cidade, em frente à Praça Dante Alighieri

Facilidade de deslocamento, podendo ser a pé.



Contato: (54) 3221-2564

História

Quando os imigrantes italianos chegaram à Serra gaúcha, logo decidiram construir um local de oração. Fizeram, então, uma cabana de taquaras que se situava na atual rua Bento Gonçalves. Na ocasião, precisavam escolher um santo padroeiro. Optaram por Santa Teresa, pois pretendiam homenagear a Imperatriz do Brasil Dona Teresa Cristina, esposa de Dom Pedro II. Seguindo a tradição do onomástico, escolheram a santa do mesmo nome da soberana. Dessa forma, expressavam a gratidão pelas terras recebidas.

 A Paróquia Santa Teresa D’Ávila foi fundada em 20 de maio de 1884. Posteriormente, a comunidade alugou uma casa de Carlos Gatti na rua Sinimbú que foi destruída por um incêndio em 1886. Desde o ocorrido decidiu-se construir um barracão de tábuas no local onde se encontra a atual Catedral. A Igreja de alvenaria foi um sonho que se concretizou com a bênção da pedra fundamental em 05 de dezembro de 1895.

Durante quatro anos, os trabalhos de construção da Igreja se intensificaram de tal forma que, na véspera da Festa da Padroeira, no dia 14 de outubro de 1899, o padre Antônio Pértile abençoou e inaugurou a Igreja Matriz de Santa Teresa. Em 8 de setembro de 1934, foi criada a Diocese de Caxias do Sul e a Matriz de Santa Teresa foi elevada à Catedral dos caxienses. Chama-se catedral porque nela está a Cátedra do Bispo. Cátedra é uma cadeira usada somente pelo Bispo diocesano, identificando sua função de presidir o culto e pastorear a Igreja que lhe é confiada. Na Igreja da Santa Teresa a Cátedra se localiza à esquerda do altar mor e está sob um baldaquino esculpido em madeira.

Campanário

A trajetória

* A Catedral ainda era uma igreja de madeira quando, em 1888, os padres Palotinos, da Alemanha, assumiram a paróquia de Santa Teresa D’Ávila. O vigário André Walter importou três sinos de aço da cidade alemã de Böchum.

* O sino maior pesa 1.260 quilos e tem uma gravação no aço em homenagem a Virgem Maria. O segundo pesa 630 quilos e é dedicado a São José. O menor, de 360 quilos, faz referência a Santa Teresa. A inauguração dos sinos, colocados no alto de uma estrutura provisória de madeira ocorreu em 20 junho de 1890. O seu badalar marcou a elevação de Caxias de vila a município.

* Em 1899, com a inauguração da nova Catedral, os fiéis tinham mais dois projetos pela frente: a construção do campanário e de uma casa para os padres, que viriam a ser iniciadas paralelamente em 1917.

* A comunidade colaborou com recursos para as duas obras, mas apenas o atual bispado foi concluído. O projeto do campanário foi abandonado.

* Em 1925, um segundo projeto para erguer a torre foi apresentado, mas acabou não sendo executado, e os sinos continuaram no antigo campanário de madeira (foto acima). Com a estrutura de madeira comprometida, nos anos 1950 o campanário foi substituído por outro, também provisório, de metal.

* Com o tempo, a torre metálica sofreu danificações, inclusive uma ameaça de desabamento, o que comprometeria os sinos. Eles badalaram pela última vez quando morreu o bispo Dom Benedito Zorzi, em 2 de dezembro de 1988. O toque foi de Páscoa e não Fúnebre, atendendo a um pedido feito em vida pelo religioso.

*Poucos meses depois, em 1989, a torre foi destruída, e os sinos foram acomodados em um porão da Catedral. Com investimento de R$ 450 mil de empresários e fiéis caxienses, o campanário finalmente começou a ser construído em fevereiro de 2007.

Arquitetura

Um local de fé e oração

Mais um dos inúmeros locais de fé e oração da nossa cidade, a Catedral Diocesana Santa Teresa foi inspirada na Basílica de Santo Antônio de Bolonha. Ela tem como padroeira a Santa Teresa d'Ávila. Em seu interior, encontram-se os santos venerados de norte a sul da Itália representados nas esculturas e nos belissimos vitrais: São Francisco de Assis, Santo Antônio de Pádua, Santo Anselmo de Gênova, Nossa Senhora do Rosário de Pompéia, Santa Inês e Roma e Maria Bambina, devoção trazida de Milão.

Também há imagens de São José, de Nossa Senhora da Glória e do Crucificado. Mais tarde, foi introduzida a imagem da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. Ela foi inaugurada em outubro de 1899.

No local há espaço ao ar livre, "Jardin de Maria" lugar para oração, meditação, descanso e convivência, área para acender velas e um poço de água benta. Também está presente a imagem de Nossa Senhora da Ternura e quadros dos vinte Mistérios do Rosário.

 

Junto à Catedral ainda funciona a Pastoral do Chá: servido de segunda a sexta, das 10h às 14h  (de março a dezembro).

 

Fotos: Acervo Catedeal Diocesana, Gilmar Gomes e Ricardo Wolffenbüttel,

CLIQUE AQUI PARA TRAÇAR A ROTA ATÉ O LOCAL