Ponte do Korff

Ponte Korff em Criúva.

Gratuito

Localização: ao chegar em Criúva atravesse a avenida principal até recomeçar o asfalto, há placa indicando a ponte em uma encruzilhada, pegue a esquerda, em 11Km de boa estrada de chão.Interior do Distrito de Criúva.

Para facilitar acesse o link antes de sair e confirme o trajeto.

O local não possui infraestrutura de banheiro, lixo e água potável para consumo. Leve água, protetor solar e repelente. Use calçados e roupas confortáveis.

O local é pura natureza, com pouca interferência humana, portanto não possui infraestrutura de banheiro, lixo e água potável para consumo.

Leve água, protetor solar e repelente. Use calçados adequados para trilhas e roupas confortáveis.

O local é pura natureza, com pouca interferência humana, portanto não possui infraestrutura de banheiro, lixo e água potável para consumo.

Leve água, protetor solar e repelente. Use calçados adequados para trilhas e roupas confortáveis.

 



Contato: (54) 3267-8255

A Ponte do Korff foi construída no início do século 20 para facilitar a travessia aos tropeiros e carreteiros

Foi a primeira construída sobre o Rio das Antas, ligando, na época, São Francisco de Paula (hoje em território de Caxias do Sul) e Vacaria (hoje em terras de Campestre da Serra), com o objetivo de transportar mercadorias ao centro do país e vice-versa. Foi declarada patrimônio histórico e cultural do Estado do Rio Grande do Sul em 2006. O início de sua construção foi em 1901 e ela foi inaugurada em 15 de fevereiro de 1907. Não possui parafusos e foi montada com rebites. Tem 108 metros de comprimento e 19,6 metros de altura. O assoalho é em madeira e os pilares são de pedra. Do outro lado da ponte é o município de Campestre da Serra, e a estrada leva até o vilarejo chamado São Bernardo (o mais próximo), distante 10 quilômetros. Também dá acesso à BR 116.

Segundo alguns depoimentos, foram os “tropeiros domésticos” que avisaram os alemães e os italianos sobre a necessidade de criar serviços que estivessem ligados ao comércio do gado, como ferreiros, seleiros e ofícios que pudessem desenvolver, para atender às necessidades existentes nessas rotas.

Alguns lembram que, antes da construção da ponte, existia uma balsa que havia sido construída por Joaquim Korff, que eram donos das terras. Essas terras situavam-se na Coxilha do Tigre e era caminho para Vacaria. O nome da Estrada era Rio Branco. Entretanto, para a passagem das tropas era mais conveniente uma ponte do que a própria balsa.

 .A Ponte dos Korff tornou-se um símbolo de Criúva, um elemento de sua identidade, do seu passado que a fez conhecida por aqueles que nela passavam e eram acolhidos na Casa de Pasto, na Pousada dos Tropeiros. 

 

CLIQUE AQUI PARA TRAÇAR A ROTA ATÉ O LOCAL