Se você já tem cadastro
Se você é novo por aqui
Você é
CLIENTE ANUNCIANTE
Incluir, mostrar e destacar a sua empresa, produtos e serviços. Inclui autorização para cadastrar eventos.
PROMOTOR DE EVENTOS
Cadastro para poder incluir eventos na agenda.
Deve ser no nome do promotor responsável pelo evento.
Mel de Santa Lúcia do Piaí.

Mel de Santa Lúcia do Piaí.

Telefone
Ver telefone

MEL DE SANTA LÚCIA DO PIAÍ - há mais de 40 anos, a família do apicultor Irineu Ebertz se dedica ao cultivo do mel vindo de flores da mata nativa.

Localização: Santa Lúcia do Piaí

Onde comprar: Feira do Agricultor da Maesa, na rua Plácido de Castro, aos sábados pela manhã.

Para reserva de produtos e entrega em quantidades, entre em contato pelos telefones 54 99928 1064 e 54 99913 7030


Mel de Santa Lúcia do Piaí.
Mel de Santa Lúcia do Piaí.
Fone:
Ver número

Mel de Santa Lúcia do Piaí é famoso na feira

Irineu e Irma são responsáveis por um produto puro há mais de 40 anos

 

A alegria com certeza é um dos ingredientes responsáveis pelo sabor doce do Mel de Santa Lúcia do Piaí. Bastam alguns minutos de conversa com Irineu e Irma Ebertz para perceber que eles trabalham com o que amam. Mas existem pelo menos dois outros motivos que fazem com que o mel vendido da banca 15 da feira seja o mais procurado: a experiência de Irineu e a pureza do produto.

Essa história começa quando Irineu ajudava o seu avô na lida com as abelhas. “Desde piá, eu ia junto com o meu avô. Ele me ajudou a pegar o primeiro enxame, aos poucos eu fui aprendendo e estou nisso há mais de 40 anos. Continuei o trabalho dos meus pais”, conta. Irma conhece bem a história, porque faz quatro décadas que está casada com ele. “No começo, ele tinha poucas caixas. Hoje, temos perto de 750”, compara. O rendimento é de entre 10 mil e 12 mil quilos por safra, dependendo da florada de cada ano.

E aqui chegamos ao segundo fator que torna o Mel de Santa Lúcia de Piaí um produto diferenciado. Irineu e Irma respeitam o ciclo natural da natureza, então a quantidade de mel está diretamente ligada à colheita feita pelas abelhas. “Não tratamos as abelhas, não damos comida para elas no inverno, não damos nada a elas, respeitamos o ciclo natural. Elas se viram para se alimentar, buscam a flor e a quantidade é a que elas colhem”, reforça ela.

Ambos adoram trabalhar com abelhas e reforçam a possibilidade de terem um negócio em que não se usa agrotóxico. “Não gosto de usar veneno, respeito o ciclo natural”, acrescenta Irineu. Esse ensinamento é passado para a filha, Dionéia, que trabalha com os pais. “O mel sempre foi forte na propriedade, então fomos ampliando e temos um retorno bom. Não passamos pelos problemas de chuva de pedra e outros temporais que estragam lavouras”, diz ela.

Para provar esse sabor tão conhecido, Irineu diz que é fácil: “É só chegar na banca 15 da feira, a Banca do Irineu”. O casal vende na feira da Rua Camaleão, no bairro Cruzeiro, às sextas à tarde, e na Plácido de Castro, junto à Maesa, aos sábados pela manhã. Se você precisar de uma quantidade maior, é só ligar antes e combinar. Independentemente de quanto você compre, a pureza do produto está garantida!